Centro Brasil No Clima

​Av. Marechal Câmara, 160 / sala 418
Rio de Janeiro - RJ - Brasil - CEP 20020-080

E-mail:
contato@centrobrasilnoclima.org
cbc@centrobrasilnoclima.org

Telefones: +55 21 2262-1202 / +55 21 2210-7102

Fique por dentro das notícias do CBC

Cassia Moraes

Game of Thrones e mudanças no clima

Imagine um mundo em que diferentes clãs políticos lutem por aumentar seu poder, ignorando uma ameaça nunca vista antes - e que pode aniquilar suas sociedades sem muita consideração pelos limites criados pelo homem. A narrativa acima pode ser uma introdução para a oitava e última temporada de Game of Thrones, a ser lançada em breve, na qual o destino de Westeros será selado quando o exército dos mortos finalmente passar por "The Wall". Também poderia ser uma descrição precisa do estado atual da política mundial, onde nomes como Donald Trump e Jair Bolsonaro travam uma guerra contra o multilateralismo no momento em que mais precisamos dele. Distrações políticas como paredes bilionárias e celebração de ditaduras do passado ocupam sua agenda, enquanto as ameaças reais - e potencialmente irreversíveis - colocadas pela mudança climática já estão em nossos quintais.

Enquanto no programa da HBO, as Casas falham em enfrentar o grande perigo que Westeros já enfrentou, na vida real o cenário não é muito diferente. Aqueles que historicamente foram os principais contribuintes para as mudanças climáticas não tomam as ações adequadas para compensá-las. Por sua vez, países emergentes como Brasil e China, o principal emissor de gases de efeito estufa da atualidade, usam a fraca resposta dos países desenvolvidos como uma desculpa para adiar suas próprias ações. Embora o princípio de responsabilidades comuns, mas diferenciadas, reforce a posição dos países emergentes, eles também serão perdedores se não conseguirmos enfrentar as mudanças climáticas como uma comunidade global. Talvez a metáfora dos caminhantes brancos torne mais fácil entender por que a estratégia do dilema do prisioneiro de maximizar os benefícios individuais é uma ilusão. Se Westeros perder a guerra contra os caminhantes brancos, não haverá trono para Cersei ou alguém para se sentar.


Então, por que é tão difícil para a maioria dos Westeros responder à catástrofe iminente vinda do norte do Muro? Pode-se dizer que é difícil entender algo que você nunca viu e que contradiz a maioria das experiências passadas de seus antepassados. Talvez tenha sido essa a razão pela qual Jon Snow arriscou sua vida e o futuro de Westeros para capturar um White walker "vivo" (existe algo assim)? Como Don Quixote, ou um ativista medieval da série, Snow acredita que pode vencer a inércia política jogando literalmente o problema nos rostos dos tomadores de decisão. Afinal, quem ainda negaria a existência de uma criatura que quase se mordeu?


Então, como as pessoas reagiriam quando não houvesse mais dúvidas sobre a existência ou o perigo dos white walkers? Existem três respostas básicas, todas com versão análoga à atual crise das mudanças climáticas:


1) A abordagem de solução de problemas: talvez você não acreditasse nos white walkers (ou nas mudanças climáticas) antes ou subestimou seu risco. No entanto, fatos recentes forçaram você a repensar sua posição e tudo o que considerava importante até agora. Isso aconteceu com Daenerys Targaryen, que interrompeu sua busca pelo trono para lidar com uma questão mais premente e irreversível. Jaime Lannister também quebra sua lealdade inabalável com sua irmã Cersei e se junta a seu ex-inimigo para lutar pela sobrevivência de todos. Jon Snow vai ainda mais longe e ensina o inimigo a matar um andador branco, revelando um segredo militar para o bem comum. Na vida real, ações como a liberação de todas as patentes de Tesla por Elon Musk lembram-nos de que não há vantagem competitiva em um mundo perturbado.

2) A opção de desistir: da mesma forma que os personagens mencionados acima, Euron Greyjoy teve suas visões de mundo e prioridades abaladas por seu encontro com um White walker. No entanto, ele não escolheu se juntar à coalizão liderada por Daenerys. Depois que Jon Snow confirmou que os white walker não sabem nadar, Euron decide abandonar Cersei e todos os outros e voltar para sua ilha, onde ele acredita que estará seguro quando o exército dos mortos chegar. Ele até aconselha Daenerys a fazer o mesmo, dizendo que os dois poderiam governar o mundo quando a crise acabar. Haveria algo para governar até então? De volta à cooperação multilateral, países como os Estados Unidos ou o Brasil podem ter menos em jogo do que Tuvalu e outras ilhas do Pacífico, mas é uma ilusão acreditar que estariam imunes aos impactos das mudanças climáticas. Ninguém irá.


3) O frio nunca me incomodou de qualquer maneira: Cersei pode nunca ter assistido Frozen, mas ela também acredita que pode manter - ou até aumentar - seu poder enquanto o resto do mundo congela até a morte. Ela não está apenas não se unindo à resistência, mas também está planejando atacá-los para maximizar seus ganhos a curto prazo. Países como Rússia e Arábia Saudita também bloqueiam a cooperação internacional em prol de suas indústrias de combustíveis fósseis. Embora essas indústrias ofereçam ganhos de curto prazo ao seu PIB, os combustíveis fósseis não protegerão sua população dos efeitos crescentes das mudanças climáticas.


Outra semelhança entre os white walkers e as mudanças climáticas é a imprevisibilidade de seus ataques. Ambas as ameaças não são algo a que os humanos estão acostumados, e não resta muito tempo para se preparar para isso. Depois de quase 25 anos discutindo o que fazer nas Conferências Anuais da ONU (COPs), os líderes mundiais foram pressionados pelas crianças em idade escolar a parar de falar e começar a agir. O Brasil até renunciou à Presidência da próxima Conferência das Partes (COP), prevista para acontecer este ano no país, fechando assim a porta para novos investimentos e oportunidades de cooperação. Os shows exemplificam o que pode acontecer conosco se não ouvirmos o alerta das crianças.
 

Quando Daenerys perdeu um de seus dragões para o Rei da Noite, ela intensificou o impacto do Exército dos Mortos, mudando todo o cenário em alguns minutos (e talvez condenando todos os outros). Da mesma forma, também enfrentamos o risco de mudanças climáticas abruptas: um nível futuro de aquecimento que levaria o clima global a um ponto crítico, impondo mudanças imprevistas e irreversíveis nos sistemas físicos. Existem várias incertezas sobre qual é esse nível para diferentes processos, mas os riscos aumentam cada vez mais para temperaturas acima de 1-3C.


A mudança climática, como os white walkers de Game of Thrones, é algo muito grande, complexo e fora das preocupações de nossas vidas diárias. Para realmente entender, é preciso ver e sentir por si mesmo. Portanto, os Líderes Climáticos da Juventude (YCL) projetaram uma experiência única - a Imersão na YCL 2019: uma expedição intercontinental onde os jovens podem aprender mais sobre a mudança climática na teoria, entendê-la na prática e trabalhar em projetos práticos com outros jovens iniciar suas carreiras como líderes climáticos. Como Jon Snow, nosso objetivo é levar exploradores destemidos a uma aventura em que possam ver por si mesmos os impactos e as respostas às mudanças climáticas, ajudando-nos a documentar tudo e espalhar a palavra para nossos Westeros. De uma maneira muito mais segura, é claro.


Fãs de todo o mundo aguardam ansiosamente a estréia da oitava e última temporada de Game of Thrones, que será lançada neste domingo (14 de abril). O prazo para inscrição na YCL 2019 Immersion também está próximo, portanto, envie suas inscrições antes de assistir à estréia da 8a temporada de Game of Thrones!