Alfredo Sirkis

Repito: o menos-carbono tem quer virar o novo ouro

A possibilidade de  manter as mudanças climáticas num limite aquém do catastrófico, no tempo de vida das gerações de nossos filhos e netos,  deteriora-se a olhos vistos. A Conferência de Madrid apenas confirmou a tendência.  

 

Houve aquele efêmero momento otimista da Conferência de Paris que agora retrocedeu. O relatório do IPCC sobre às perspectivas para 1.5 graus revela que manter a temperatura no planeta abaixo dos 2 graus, até o final do século,  não resolveria questões cruciais como o derretimento das geleiras, uma forte elevação  do nível dos oceanos, atingindo centenas de milhões de moradores de áreas litorâneas,  e diversas outras consequências graves. 

Os Compromissos Nacionalmente Determinados (NDC),  anunciados antes do Acordo de Paris, se todos religiosamente cumpridos, todos,   apontam para uma trajetória de  3,2 graus. Em 2030,  estaríamos ainda emitindo um   de 12 a 15 bilhões de toneladas (Gt)  de gases-estufa a mais na atmosfera para termos uma trajetória mais próxima dos 2 graus. E a atual  disposição de certos países fundamentais no jogo  para cumprirem  suas respectivas NDCs parece, no mínimo,  incerta. 

 

Na trajetória inercial em que nos encontramos, hoje, vamos embalados, para mais de 4,5 graus ao final do século.  Se olharmos as consequências recentes de uma aumento de "apenas" 1,1 grau, já acontecido, desde o início da era industrial, o quadro diante de nossos olhos fica deveras assustador:  todos esses furacões, ondas de calor, incêndios, estiagens, enchentes, danos à infraestrutura e à agricultura cada vez mais frequentes e mais intensos, ano a ano. Já podemos entrever, realisticamente,   sem exagero algum, o  futuro não muito distante do planeta. Infernal. 

A literatura mais recente é francamente aterradora. Estou lendo --mas não à noite, para preservar o sono--   The Uninhabitable Earth, de David Wallace-Wells. Punk.  Meu amigo Yves Cochet, ex-ministro do meio ambiente da França, acaba de lançar um livro ainda mais apocalíptico Devant l’effondrement : Essai de collapsologie. Esse ainda não li. 

 

Como se não bastassem as notícias ruins da ciência, assistimos ao retrocesso político internacional  simultaneamente  à retomada do aumento anual das emissão globais, no agregado. 

 

Por um momento, parecera que elas haviam atingido seu “pico”, em 2013, já que de 2014 a 2016 houve uma ligeira queda, isso em anos em que o PIB mundial  crescia na casa dos 3%. Houve, então,   aquele momento de otimismo.  Considerou-se um possível o “divórcio” entre o PIB mundial  e emissões.  

Em 2017, no entanto,  o maior uso de térmicas a carvão na China, por causa da estiagem, disparou alarmes. Em 2018 e, também, em 2019 houve uma retomada nítida do crescimento global do CO2 emitido pelo carvão,  petróleo e desmatamento, esse, principalmente,  no Brasil e na Indonésia e com  os mega-incêndios na Russia (Sibéria) e na Austrália. Além disso detecta-se um aumento da emissão de metano provavelmente do vazamento na extração, transporte e refino do  gás de folhelho (shale gas)

 

Apesar disso é provável que as emissões diretas tendam a se estabilizar nos próximos anos embora permaneça a incógnita sinistra dos chamados feedbacks --a liberação de metano pelo próprio derretimento das geleiras e da tundra siberiana e a redução da capacidade de absorção de carbono por florestas tropicais e pelos oceanos. A escala  precisa desses feedbacks   ainda constituam incógnita científica. Por aí poderar vir o apocalipse, segundo as obras que mencionei e outras. 


O “pico” das emissões globais, diretas,  de gases-estufa e o início de sua redução, em números absolutos, ainda está por vir. Poderá, de fato,  acontecer nos próximos 15 anos, antes de 2030. Cada ano em que isso não aconteça, mantendo-se o atual crescimento de perto de 1%, mais difícil ficará para compensar, mais adiante,  com reduções mais drásticas. 

Mas para termos 1.5 graus, afinal do século,   teríamos que reduzir as emissões em 45% até aquele 2030. Na situação mundial atual isso é praticamente impossível de acontecer. No contexto atual,  2 grau também aparece como uma meta sobremaneira difícil ainda que teoricamente factível em determinadas condições que no momento não se dão. 

 

O negacionismo climático de Donald Trump  produz retrocessos em dominó --embora a curiosamente a queima do carvão continue a cair no seu governo por razões puramente de mercado que ele não consegue reverter embora tente subsidiá-lo.  

 

A política não sabe como enfrentar a mudança climática, nem global nem nacionalmente, nos menos de dez países que realmente contam em termos de emissões. 


Solução alguma virá dessas reuniões anuais da UNFCCC , as Conferencias das Partes (COP) porque seu avanço, incremental, é sempre  travado pelo denominador comum mais atrasado. Antes os vilões eram a   Arábia Saudita   e a Venezuela.  Agora lideram os empata-fodas   os EUA, a Austrália, o Brasil e ali, meio  na encolha, o Japão.   

Na COP de Glasgow, em 2020, nem com muito uísque os países que realimente têm peso: China, EUA, Índia, Russia, Indonésia, Brasil, Japão –com exceção da Europa menos Polônia--  vão  apresentar NDCs mais ambiciosas. 

 

É sempre a economia, estúpidos!

A “solução” não virá do sistema ONU nem do voluntarismo de governos por mais que esse seja desejável. Ainda que tivessem uma vontade política que não têm.  A questão chave é pura e simplesmente econômica! The fucking economy, stupid! 

Vejam: a tecnologia para um mundo carbono neutro já existe! Em meados dos século,  o transporte a combustível fóssil será coisa do passado. O maravilhoso petróleo do Pré Sal, daqui a menos de 20 anos,  vai ter que competir , desesperadamente,  por um mercado sempre minguante,  com  países com custos menores de extração onde o petróleo praticamente aflora no deserto. Mais de 60% do petróleo atualmente  em condições de ser explorado vai virar stranded assets (recursos "extraviados" ou interditos) 

A indústria do petróleo já sabe disso mas o poder do engano e do autoengano é imenso. E a industria automotriz pensa manter mercados fósseis, residuais. O Brasil parece candidatar-se ser um deles, pelo menos nos planos da Anfavea... Os stranded assets  é um problema econômico e social futuro muito sério. Terá que haver uma definição sobre o valor econômico a ser atribuído ao petróleo não extraído para evitar emissões. Um problema de precificação positiva.

 

Para absorver carbono numa escala compatível com 1.5 grau a humanidade também terá

de  reflorestar uma superfície do tamanho do território dos EUA. O Brasil, com pelo menos

60 milhões de km2 de pasto degradado,  tem algo a dizer a respeito. 

 

De onde virão dos três a cinco trilhões de dólares, por ano,  para financiar a descarbonização, inclusive para compensar os “perdedores” vinculados à economia fóssil, cujo poder, como vimos na França, em 2018, com   os “coletes amarelos”, ou, mais recentemente, no Equador e no Irã, há que ser levado em consideração. Além de financiar a transição propriamente dita –solar, eólica, veículos elétricos, mega reflorestamentos, novas tecnologias industriais e de construção--  será preciso compensar uma legião de perdedores. 


E temos ainda a conta da adaptação. Complicadíssima de calcular. O número que tenho ouvido são seis tri por ano...

Nenhum governo tem esses recursos. É simplesmente ridículo, uma tentativa revoltante de fazer de idiotas as pessoas, apostar nos tais 100 bilhões de dólares que os países desenvolvidos supostamente disponibilizariam, a partir do ano que vem, todo anos. A verdade é a seguinte: em dinheiro vivo mesmo tem uns 10 bi, apalavrados uns 60 bi, ao todo,  e só idiotas ou desonestos podem continuar afirmando que a partir de 2020 os países ricos vão proceder a uma transferência norte-sul de liquidez dessa ordem, metade para mitigação, metade para adaptação (aliás tipos de demandas totalmente diferentes e administrados de formas completamente distintas).  


Os governos dos países desenvolvidos simplesmente não têm esses recursos e sua opinião pública, invariavelmente trabalhada por fortes grupos xenófobos e anti-emigração,  limita sobremaneira sua margem de manobra. Os EUA de Trump já sairiam da jogada, a UE e o Japão,  junto com as agências multilaterais, não têm a menor possibilidade de assumir esse compromisso  conforme originalmente  imaginado embora possam eventualmente  fazê-lo na forma de garantias para um Fundo Garantidor capaz de alavancar recursos do setor financeiro privado. A tal blended finance. 

Esses três a cinco trilhões anuais --os previamente anunciados cem bilhões além de tudo eram é ridiculamente escassos,  peanuts--   para mitigação podem ser encontrados num sistema financeiro privado global que movimenta uns 220 tri.  Essa dinheirama pouco converge para a economia produtiva "real". Há muitos trilhões de fundos de pensões, fundos soberanos e bancos de investimento, aplicados atualmente a juros muito baixos --até negativos--  que poderiam ser mobiliaados  para financiar a descarbonização desde que existissem garantias oferecidas por um grupo de governos ricos e bancos centrais confiáveis. Mas isso é uma  parte apenas. O essencial está numa revolução do próprio sistema de valores da economia, ou seja no reconhecimento  um novo padrão ouro: o do menos-carbono. 

 

Para fazer frente à catástrofe climática anunciada é necessária uma revolução. Isso mesmo, uma re-vo-lu-ção. Só que não dessas de fuzilar gente, com heróis,  mártires e  brutais ditadores mas uma revolução cultural-financeira, mexendo no paradigma de valor econômico. A emergência de um novo valor, conversível,  em bens, serviços e tecnologia descarbonizante. Por que não uma nova moeda,  o menos-carbono? O novo ouro!

O novo ouro???

 

Em 2015, o Brasil conseguiu introduzir no preâmbulo do Acordo de Paris o Parágrafo 108, por força de barrocas articulações de quem lhes escreve e do diplomata Everton Lucero. É formulado no jargão diplomático que deu par ser negociado com o G-70 + China, EUA e UE que diz: "Reconhece o valor social, econômico e ambiental das ações de mitigação voluntárias e seus co-benefícios para a adaptação, a saúde e o desenvolvimento sustentável;"

  

  O "x" da questão está no reconhecimento do valor  (...)econômico(...) das ações de mitigação voluntárias, sinônimo de menos-carbono. A expressão "voluntárias" ficou propositadamente ambígua, podem ser ações para além da NDC. Mas as NDC são, elas próprias, um compromisso voluntário por tanto, numa interpretação, poderiam ser aplicadas também a elas.

Pessoalmente, penso que seria mais apropriado e compatível com a coexistência de um mercado de carbono, elas serem  remuneradas "over the cap", "acima" das NDC no esforço adicional rumo à neutralidade de carbono. 

De qualquer forma ficou estabelecido que  reduzir emissões ou retirar carbono da atmosfera passava a ter, desde Paris,  valor econômico, intrínseco. O menos carbono vale dinheiro! 

 

É um tipo de valor diferente  do proveniente  dos “créditos de carbono” nos quais  compra-se uma redução de emissões de outrem para atender à uma meta, que não se logrou. Isso é algo que, novamente, não conseguiu ser regulamentado, em Madrid,  por causa do impasse nas negociações do Artigo 6º. Em boa parte graças ao Brasil...

 

 Pessoalmente, não acredito tanto no MDS, sucedâneo do MDL. Num tempo em que todos os países têm suas NDCs, --e elas são tão díspares--  se possa mobilizar recursos muito significativos. Mas pode eventualmente ser útil under the cap.  Acredito mais em mercados regionais/internacionais e voluntários mas não vou aborda-los aqui. 


Quero voltar à revolução, que será a precificação positiva do carbono.  Ela já tem manifestações pr´ticas, cou outros nomes: a remuneração que a Noruega dava ao Fundo Amazônia pela redução do desmatamento (seus km2 são facilmente conversíveis em toneladas de emissões de CO2 reduzidas) era pura precificação positiva com outro nome. 

 

Quando me refiro ao "novo ouro" não uso uma metáfora descabida, nem delirante,  pois se trata, para a humanidade, de um momento análogo ao que ocorreu há milênios quando aconteceu a “invenção” do ouro como um valor  dado na abstração  de troca, baseada na confiança,  e aplicada a qualquer bem assim transformado em mercadoria, numa economia até então dominada pelo escambo. 

Já discutimos diversas maneiras de potencializar essa “precificação positiva” do menos-carbono. É o oposto simétrico daquela precificação de carbono  da qual tanto se fala, discute, estuda e, eventualmente,  tenta aplicar. Essa é a precificação   real, ou “negativa” do carbono que vem obtendo um sucesso ate agora  limitado. 


Serve para taxar o carbono, servir de referencia para seus mercados e de "shadow price" (um preço "sombra", simulado)  para as empresas se prepararem para  quando essa precificação "negativa" venha a ter força de Lei, taxado assim as óbvias externalidades negativas das emissões e suas consequências deletérias de efeito local.  

 

Ambas formas de precificação do carbono a "real, negativa" e a "positiva" valem.   Não são contraditórias,  partem da uma mesma consideração: apenas uma é o "porrete" e a outra a "cenoura". As duas são necessárias mas os luminares do pensamento econômico climático preferem ignorar a "cenoura" por conta e risco dos governantes e dirigentes  que  assessoram e a cujas agruras  assistem nas ruas, depois. 

A Iniciativa 108

 

A precificação positiva, como vimos,  foi instaurada no Parágrafo 108 da Revisão de Paris (o preâmbulo do Acordo) por proposta do Brasil numa articulação feita por mim e pelo Everton Lucero. O princípio está lá: o reconhecimento por 196 governos do valor social, econômico e ambiental das ações de mitigação. Mas sua instrumentalização não avançou. 

 

Não conseguimos --ainda espero--   sensibilizar governos, bancos centrais, bancos de desenvolvimento. O Banco Central Europeu, na sua fase de quatitative easing imprimiu liquidês a rodo para comprar todo tipo de papeis mandrakes mas, obtusamente,  não pensou em lastrear certificados de redução/sequestro de emissões, em instituir uma moeda do clima para ações de descarbonização. Ignorou as chances de precificação positiva do carbono que poderiam ter dinamizado mais a economia e gerado muito  empregos. 

 

 Os grão-economistas climáticos acharam a ideia “interessante” mas como não foram contratados para desenvolve-la preferem ficar brincando com a ilusão do Banco Mundial de que a precificação real do carbono para efeito de taxação, mercado ou shadow pricing avança avassaladoramente  no planeta, pelo menos, nos seus Power Points. 

Isso simplesmente não partece estar acontecendo, no mundo real, pelo menos em escala capaz de fazer frente a crise climática e prevenir a catástrofe. 

 

Poucos no establishment parecem perceber o potencial revolucionário disso e aqueles que percebem, por diversas razões,  temem botar a cara a tapa, Nossa Iniciativa 108,  com pensadores como os professores Jean Charles Hourcade, Micheal Aglietta, Dipak Dasgupta, Seyni Nafo e outros decidiu, pelo momento, se fixar num mecanismos de precificação positiva, mais imediato e menos ousado que é um Fundo Garantidor para projetos descarbonizantes. O establishment vem reagindo melhor a isso que denomina de blended finance.

 

 

Em 2020, dá vontade  de chutar o pau da barraca.  De começar a imaginar que a precificação positiva  poderá  se desencadear  totalmente fora das esferas oficiais e que a  descarbonização será alavancada por uma critptomoeda lastreada no menos-carbono. Nesse caso dependerá mais de Greta, Madonas, especialista em block chain, hackers e de um gigantesco movimento de revolução cultural nas ruas e na internet.  

 

Já existe um montão de criptomoetas. A mais famosa, totalmente artificial –e daninha ambientalmente--  o Bitcoin,  continua  apesar de Bancos Centrais terem prognosticado sua morte tantas vezes. Depende de uma “mineração” informática de block chain, complicadíssima e que acarreta  imenso  gasto de energia, sobre tudo na China onde ela provem principalmente do carvão.  

 

A moeda do clima seria bem mais fácil! 

 

Uma criptomoeda (com vocação de moeda) lastreada simplesmente no menos-cabono para o qual já abundam mecanismos técnicos de certificação, no próprio sistema da ONU, herdados do MDL(CDM em inglês o antigo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo)   é uma arma cujo potencial não pode mais ser desprezado. 

 

Futuramente, poderá inclusive, servir para rever o papel geopolítico desproporcional,

absurdo  do dólar.  Lord Keynes tentara evita-lo, inutilmente, em Bretton Woods, em 1944, ao propor o Banco, uma moeda internacional  lastreado pelo ouro. A ideia foi fulminada pelos americanos. Um moeda internacional lastreada pelo menos carbono poderia talvez realizar seu sonho. 

O mundo só tem a perder sua impotência diante da mudança climática. Hackers, pop-stars e formadores de opinião de todo o mundo uni-vos: viva a criptomoeda do menos-carbono!

Centro Brasil No Clima

​Av. Marechal Câmara, 160 / sala 418
Rio de Janeiro - RJ - Brasil - CEP 20020-080

E-mail:
contato@centrobrasilnoclima.org
cbc@centrobrasilnoclima.org

Telefones: +55 21 2262-1202 / +55 21 2210-7102

Fique por dentro das notícias do CBC