Centro Brasil No Clima

​Av. Marechal Câmara, 160 / sala 418
Rio de Janeiro - RJ - Brasil - CEP 20020-080

E-mail:
contato@centrobrasilnoclima.org
cbc@centrobrasilnoclima.org

Telefones: +55 21 2262-1202 / +55 21 2210-7102

Fique por dentro das notícias do CBC

Notícias do Brasil

  • centrobrasilnoclima

Estados brasileiros avançam na luta contra mudanças climáticas apesar da ambivalência de Bolsonaro


Twelve state governments have agreed to start a state-level climate council, aimed at fulfilling the country's Paris Agreement commitments

Fonte: Reuters

26 de abril de 2019

Por Jake Spring


Os governos estaduais do Brasil concordaram em trabalhar para cumprir os compromissos para enfrentar as mudanças climáticas, previstos no Acordo de Paris, apesar da ambivalência do presidente Jair Bolsonaro, de extrema-direita, em relação ao pacto.


Bolsonaro disse em sua campanha que retiraria o Brasil do acordo, embora mais tarde tenha voltado atrás. O país continua sendo parte do acordo, com o compromisso de reduzir suas emissões nacionais em 37% até 2025.


Representantes de 12 governos estaduais assumiram os compromissos em um evento no Rio de Janeiro encerrado na noite de quinta-feira, segundo Alfredo Sirkis, coordenador do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, que organizou o evento.


Esses estados respondem por pouco mais de metade das emissões brutas de dióxido de carbono do país, segundo dados compilados pelo Observatório do Clima, uma organização não governamental brasileira.


O movimento se assemelha a 23 estados dos EUA que se comprometeram a defender o compromisso nacional anterior do país de reduzir as emissões de gases do efeito estufa depois que o presidente Donald Trump se retirou do acordo de Paris, disse Sirkis.


Mas ao contrário dos Estados Unidos, Bolsonaro não se retirou do Acordo de Paris e os estados estão agindo preventivamente diante da política incerta de mudança climática no nível federal, declarou ele.


O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, disse à Reuters em dezembro que não está claro se os seres humanos estão causando o aquecimento global, mas disse que sua "inclinação" é permanecer no acordo.


Bolsonaro também disse que a floresta amazônica, que absorve grandes quantidades de emissões de dióxido de carbono, deveria ser aberta à mineração e a outros desenvolvimentos econômicos.


Os governos estaduais concordaram em princípio em iniciar um conselho climático estadual, com discussões em andamento sobre como estruturar esse órgão, disse Sirkis.


O gabinete do presidente não respondeu por um pedido de comentário.


Entre os líderes estaduais, João Doria, governador de São Paulo, o estado mais rico e populoso do país, manifestou apoio ao cumprimento das metas climáticas em um vídeo exibido no encontro, e destacou os programas do estado para reduzir as emissões.


“Vamos ajudar o Brasil a cumprir seus compromissos internacionais determinados no Acordo de Paris e alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU", disse Doria, que surgiu como um aliado de Bolsonaro em outras questões. "Este é o nosso compromisso."


Outros estados expressaram seu compromisso, como Rio de Janeiro, Amazonas, Pará, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Amapá, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul e Pernambuco.


Fonte

17 visualizações